7 passos para ter estabilidade de emprego

Uma das qualidades que mais atraem profissionais para trabalhar no setor público é a estabilidade.

No setor público, você não perde o emprego se o novo gerente não for com a sua cara. Nem tampouco se aquele cliente importante resolve, de uma hora pra outra, trabalhar com um concorrente que oferece o mesmo produto ou serviço pela metade do preço. Ou ainda se uma severa crise econômica se instalar no Brasil. Nada disso.

No serviço público, salvo crimes cometidos, seu emprego está garantido. As mulheres podem tirar licença-maternidade sem sustos. Os homens podem dormir mais sossegados, sabendo que a mensalidade da escola da filha está garantida.

O problema é entrar no setor público. Em geral, apenas 5% dos mais bem colocados são convocados. É um “céu de brigadeiro” onde que muitos querem estar, mas onde só voam aviões pequenos. Infelizmente não é pra todo mundo.

Hoje sou empregado público, mas trabalhei durante 10 anos na iniciativa privada. Passei por 5 empresas e só fui demitido em uma, e não por incompetência. Por isso eu digo que é possível, sim, ter estabilidade fora do serviço público, no sentido de nunca ficar sem trabalho. Como? É o que vou te dizer agora:

 

  1. Busque QUALIFICAÇÃO sempre! Com ela, nós podemos nos impor no mercado de trabalho. Podemos nos dar ao luxo de escolher um emprego de melhor remuneração ou melhor ambiente. Qualificado, você será disputado. Busque qualificação e ganhe poder de negociação com seu futuro empregador. O que não falta são cursos com preço justo ou até mesmo de graça na internet, além de vasta informação. E busque qualificação de forma contínua: a cada 6 meses, aprenda algo novo que melhore seu currículo. Assim você sempre acompanha as tendências do mercado e não fica obsoleto;

 

  1. A cada 6 meses, atualize seu currículo. Pois em caso de uma demissão inesperada, você vai estar preparado, não perdendo muito tempo para atualizar seu material, agilizando assim sua recolocação. Se for do perfil do seu tipo de trabalho, deixe atualizado também seu portfólio;

 

  1. Busque um emprego de carteira assinada ou cobre mais. Além de garantir benefícios como FGTS e seguro-desemprego, a carteira assinada demonstra que a empresa é minimamente organizada. Sendo assim, as chances de atraso de salário ou demissão por motivos levianos são menores. Caso você não tenha opção ou prefira trabalhar como Pessoa Jurídica, peça algo em torno de 30 ou 40% a mais do que seria seu salário, para compensar os benefícios perdidos;

 

  1. Seja profissional. Preste atenção nos mínimos detalhes. Seja pontual e faça o que lhe pedem com capricho e esmero. Assim você ganha uma boa imagem pelos seus resultados e evita falhas bobas que comprometam sua reputação;

 

  1. Fale pouco. Evite fazer inimigos e desfaça mal entendidos. Desse modo você evita puxadores de tapete e tem em quem se apoiar nas horas de crise;

 

  1. Tenha um “colchão financeiro.” Significa ter um valor equivalente entre 6 a12 meses de gastos mensais aplicados na poupança ou tesouro direto. Assim você tem um suporte financeiro para segurar as contas em caso de uma demissão.

 

  1. Tenha uma rede de contatos ativa. Mantenha atualizado sua página no Facebook e, principalmente, no Linkedin, recheada de contatos relacionados ao seu trabalho. Se possível, tenha uma lista de e-mails de empresas em que você gostaria de trabalhar. Desse modo você espalha mais rapidamente a notícia que está disponível no mercado.

 

E para concluir, saiba de um segredo que quase todos os funcionários públicos já sabem: estabilidade não é sinônimo de felicidade!

7 dicas para ser convocado em um concurso público

Apesar de estarem devagar, quase parando no âmbito federal, os concursos públicos estaduais e municipais continuam ocorrendo.

Em 2013, consegui neste ano ingressar no serviço público. Considero que alcancei esse objetivo num tempo relativamente rápido. Comecei a estudar pra valer em meados de 2011 e estabeleci uma meta de 5 anos para ser convocado. Cumpri o objetivo em pouco mais de 2.

Talvez a razão de tamanha velocidade tenha sido o fato de eu nunca ter sido um “concurseiro profissional.” Já trabalhava há 10 anos na iniciativa privada e não estava indo mal (mas nem tão bem). Além desta experiência profissional, considero que minha experiência de vida contribuiu bastante para meu sucesso.

Como forma de agradecimento a Deus, decidi partilhar o meu conhecimento adquirido nesses anos de intenso estudo. As dicas servem para você ser convocado, e não somente para “passar” no concurso, porque passar é relativamente fácil. O objetivo é que você fique nas primeiras posições, entre os 3% mais bem colocados de qualquer concurso.

Já adianto que não há nada de extraordinário nessas dicas. Mas elas me ajudaram a conseguir uma cobiçada vaga por centenas de milhares de pessoas.

E também não é uma “receita de bolo.” É uma exposição de ideias para que você as leia, reflita e avalie quais delas vale a pena aplicá-las em seus estudos.

Lá vai:

 

  1. Pense a longo prazo

Se você está precisando de dinheiro no curto prazo, primeiro procure um trabalho na iniciativa privada. Estudar para concurso sem ter uma remuneração aumenta a responsabilidade e a pressão no dia da prova, o que prejudica seu desempenho. E mesmo que você consiga passar dentro das vagas ou entre os primeiros, podem levar vários meses (ou até anos) para você ser convocado. Por isso, primeiro resolva seus problemas financeiros de curto prazo e depois comece os estudos.

 

  1. Pesquise sobre convocações e notas dos 3% mais bem colocados dos concursos que vai prestar

Fazendo essas investigações na internet, você vai saber que nota mínima precisa tirar pra poder entrar e quantas convocações a empresa ou autarquia faz por mês na sua região. Além disso, identifique quais são as tendências de expansão do serviço público. Procure saber também quais regiões da sua cidade são menos disputadas. Ali será mais fácil de entrar.

 

  1. Habitue-se a estudar

Conhecimento não se ganha da noite para o dia. Por isso, habitue-se a estudar 30 minutos por dia no mínimo. Com o hábito do estudo, você pode trabalhar na iniciativa privada e não precisa ficar abrindo mão de diversão, já que está adquirindo conhecimento ao longo da vida. Não se estuda para passar. Estuda ATÉ passar. E inclui-se no conceito de “estudo” as leituras voluntárias de notícias e pesquisas espontâneas na internet sobre os temas da prova. Tendo uma visão de longo prazo, um trabalho que te remunera e o hábito de estudo, você não precisa impor limites de datas para interromper as tentativas de ingressar no serviço público. Poderá tentar a vida toda. Isso diminui a pressão e melhora a absorção de conteúdo e sua evocação na hora da prova.

 

  1. Habitue-se a fazer provas

Assim como um time é bom porque se habitua a disputar campeonatos importantes, assim é o candidato que presta muitos concursos. Esta atitude lhe confere o “ritmo de prova.” Busque na internet provas anteriores do concurso em que você está de olho e as realize em casa, respeitando os limites de horário que sua prova vai ter. E se a grana permitir, se inscreva no máximo de concursos que puder, mesmo que não seja a área em que esteja querendo entrar. Você vai adquirir o habito de prestar concursos. Por consequência, vai ficar cada vez menos nervoso(a) no dia da prova.

 

  1. Estude por teleaulas da internet

Neste tipo de aula são levantadas as questões mais importantes para as provas, sem interrupções impertinentes. Além disso, você pode voltar e repetir um assunto que não entendeu várias vezes. É como se você tivesse um curso preparatório particular, sem que colegas mais lentos que você interrompa as aulas para tirar dúvidas de assuntos que você já aprendeu. Com as teleaulas, você ganha tempo e economiza dinheiro. Além disso, poderá estudar em qualquer lugar: em casa, no caminho para o trabalho, na hora do almoço…

 

  1. Administre o tempo de prova

É fundamental saber quantos minutos você deve usar para responder cada questão. Naquelas em que você tem a certeza da resposta correta, já marque no cartão de respostas. Se deixar para passar todas as respostas para o cartão somente nos 15 minutos finais da prova, você corre o risco de, na pressa, se confundir e marcar errado, trocando as respostas. Falo por experiência própria. Com a correta administração do tempo, você vai perceber que acaba sobrando mais minutos para responder as mais difíceis. Procure também usar todo o tempo disponível. Não tenha pressa de ir embora. Vá ao banheiro de hora em hora, aproveitando para alongar-se, satisfazer necessidades e dar alguns minutos de descanso para o cérebro. Prova é como uma maratona.

 

  1. Pratique o “chute calculado”

Por mais que você tenha estudado, você nunca vai saber todas as respostas. Por isso, é preciso usar a matemática do “chute calculado.” O bom estudo ajuda nisso, fazendo com que você elimine as respostas que sabe que estão erradas. Eliminar respostas aumenta matematicamente suas chances de acerto. Parece óbvio, mas muita gente não faz isso. Em qualquer questão de múltipla escolha com 5 respostas, você começa com 20% de chances de acertá-la. Se você tem certeza que uma está errada e a elimina, suas chances saltam para 25%. Se eliminar duas, vai para 33%. Se eliminar três, vira cara e coroa: 50%. Por isso, sempre utilize esse recurso, mesmo naquelas questões em que você conhece a resposta, somente para confirmar o que você tem razão.

Em resumo, as dicas se baseiam em 3 palavras: planejamento, estudo e diligência.

Boa sorte!

_________________________________________________________

Para saber mais

 

  • Livro

Super Dicas Para Passar no Concurso Público

 

  • Procure participar de grupos relacionados a concursos no Facebook, Orkut e diversos fóruns na internet.