Rebatendo mitos do mercado de ações

(Filme O Mentiroso)
(Filme O Mentiroso)

Desde jovem sempre investi no mercado de ações. Às vezes parava, as vezes voltava, mas sempre estive de olho neste mercado e, principalmente, mas ideias que o circundam.

Decidi então escrever este artigo para refletir sobre lugares-comuns, ou melhor, mentiras tão propaladas por aí, principalmente por aqueles que querem vender ideias fáceis sobre o mercado e lucrar com isso;
“Você deve comprar quando todos querem vender e deve vender quando todos querem comprar”

Sim, é verdade. Mas como saber exatamente quando é a hora de vender e quando é a hora de comprar? Ninguém tem bola de cristal. Se um investidor quer entrar no mercado num momento de crise, nunca terá a certeza de que aquela é a hora certa de comprar e subir ou se ainda vai amargar mais prejuízos. E a recíproca é verdadeira. É muito difícil para um investidor, por mais experiente que seja, se desfazer de suas ações quando todos estão eufóricos com a recente alta do mercado e esperando que ele se valorize ainda mais. “Mas aí deve-se consultar especialistas”, alguém vai dizer. Só que a verdade é que todos os especialistas são, no fundo, palpiteiros. Não que sejam canalhas, mas são simplesmente seres humanos que se baseiam em dados do passado na ânsia de prever o futuro. E como ninguém é adivinho, todos podem errar. Há aqueles que palpitam bastante, pois assim as chances de acertar são maiores. E quando acertam, exaltam suas previsões bem-sucedidas e ocultam as erradas.

“Larguei meu emprego para operar Day-trade e estou tirando mais do que eu ganhava de salário.”

Mentira já rebatida neste post. Aconselho que o leia. Em resumo, é menos arriscado e tem melhor custo benefício ser um motorista de Uber do que ser day-trader.  Operar com Day-trade é ter as mesmas chances de jogar cara-e-coroa. Pode até dar certo durante algum tempo, mas no longo prazo o investimento dá prejuízo.
“Para ser um investidor bem sucedido, é preciso se informar bastante.”

Mentira. O investidor que fica toda hora se informando, acessando diversos sites, ouvindo diversos economistas, acaba ficando confuso, perdido. Principalmente em momentos de crise aguda, como em 2008, quando o pânico é geral e ninguém mais se entende. No mercado financeiro, excesso de informação é altamente prejudicial.

Enfim, comprar e vender ações com frequência pode até ser divertido. Mas se você pretende viver disso, e pior, usando a maior parte do seu patrimônio, esqueça. Em vez disso, trabalhe, produza algo, seja útil ao desenvolvimento da sociedade em que você vive. E aí poupe para os estudos, para a sua casa própria, para seu plano de saúde e reservas de emergência. E só então pense em investir no mercado acionário, com uma visão de longo prazo, estudando empresas e comprando e segurando suas ações por determinado período. Aí sim os resultados vão aparecer.