Chicago Boy a favor de bancos de fomento

(AP Photo/Eraldo)
(AP Photo/Eraldo)

Quem disse que todo formado pela Universidade de Chicago é a favor do estado “mínimo do mínimo do mínimo?”

Pois Joaquim Levy, recém demitido por Bolsonaro do BNDES (sim, demitido virtualmente em público) e com doutorado em economia pela Universidade de Chicago, recentemente defendeu a existência de bancos de fomento como o BNDES. Ele afirmou que esses bancos sempre serão importantes, pois o capital privado nem sempre chega onde é mais necessário. Os bancos públicos, segundo ele, permitem a democratização do crédito.

Pois é, ainda há liberais sensatos no mercado, aqueles que sabem que é preciso lisura na administração dos bancos públicos, mas que sabem de sua importância para os mais pobres.

Paulo Guedes também queria a saída de Levy do BNDES

É um erro achar que apenas Bolsonaro foi o responsável pela carta de demissão de Joaquim Levy. Ainda no sábado, no mesmo dia em que o Presidente do Brasil fez as polêmicas declarações em relação ao então presidente do BNDES, Paulo Guedes mostrou compreensão com a “angústia” de Bolsonaro. E o ministro já estava pressionando Levy há algum tempo. Ele queria que Levy providenciasse a devolução de bilhões aportados pelo Tesouro Nacional ao banco na era PT.

Paulo Guedes, porém, sai chamuscado do episódio. Foi ele quem bancou o ex-Ministro da Fazenda do Governo Dilma e ex-Secretário do Tesouro Nacional no governo Lula.

Sim, Paulo Guedes pode falhar.