Ações dos bancões estão abaixo da média do Ibovespa

A primavera chegou ao Brasil. Mas os bancões começaram a viver o outono no mercado de capitais.

Digo isso porque a Infomoney percebeu que, passados 67% do ano de 2019, as ações do 4 maiores bancos do Brasil estão com desempenho aquém do esperado, abaixo da média das principais empresas do país, empresas que compõem o Índice Bovespa.

Os grandes investidores do mercado perceberam que as fintechs chegaram para acabar com um oligopólio que se nutria de fartas tarifas e vendas casadas.

E o pior para os bancões é que eles não podem mais contar com amigões de longa data: o Ministério da Economia (antigo Min. da Fazenda) e o Banco Central. Pois os chefes de ambos os departamentos do Governo Federal já deram sinais claros de que vão adotar medidas para abrir cada vez mais o mercado financeiro comercial do país.

Itaú percebe que não vai mais fazer dinheiro como antigamente

O banco brasileiro mais pujante do momento já percebeu que não vai mais fazer seu acionista sorrir como antes.

Em evento promovido ontem junto à analistas e investidores, o Itaú admitiu que a ascensão das fintechs está tirando o sono de seus dirigentes. E que os níveis de lucros bilionários do passado (e presente) tendem a cair.

Para se ter uma ideia da preocupação, basta verificar o balanço dos bancões. Cerca de 15% a 30% do faturamento anual vem de cobrança de tarifas, algo que as fintechs quase não cobram.

E se levarmos em conta que as vendas (quase sempre casadas) de seguros  tendem a diminuir consideravelmente, uma vez que a contratação de crédito não será mediada por um gerente com metas, podemos falar que o faturamento dos bancões pode cair de 40% a 50% em média. Isso só não vai acontecer se alguma manobra política aparecer para proteger o oligopólio.

Apesar disso, eles ainda poderão ser bem lucrativos. Mas vão ter que cortar absurdamente os custos.

Itaú fecha 212 agências e BB vai transformar 333

App do Itaú e Banco do Brasil
(Internet)

O Itaú divulgou ontem seu último balanço trimestral. Faturou mais de 7 bilhões durante abril, maio e junho deste ano. Porém registrou o fechamento de 212 agências e anunciou a realização de um Plano de Demissão Voluntária para 6.900 funcionários.

Também ontem, o Banco do Brasil anunciou mais uma remodelagem da sua estrutura de negócio. Entre as medidas, a transformação de 333 agências em Pontos de Atendimento, locais que funcionam como escritórios de negócio (onde não circula dinheiro em espécie), além da realização de mais um PDV para enxugar o quadro de funcionários.

A razão disso tudo é: Digitalização Bancária.

Bancões não falam mais em expandir agências e pontos de atendimento. Falam apenas em expandir aplicativos e negócios online.

Não é mais o futuro. É o presente.

Itaú lança seu braço digital – o App ITI

(DIvulgação)
(DIvulgação)

Com o objetivo de competir no mercado das fintechs, o Itaú lançou, ainda em fase de testes, a sua plataforma digital chamada Iti.

O Iti funcionará como uma conta digital de pagamentos, com funcionalidades práticas para transferências, pagamentos por QR Code e depósito por meio de boletos.

O Itaú segue a mesma estratégia do Bradesco, que decidiu preservar a marca principal e lançar um app de pagamentos à parte, o Next, para marcar presença entre as fintechs.

Talvez esses dois bancões acreditem que suas marcas são muito valiosas para ficarem competindo com nanicos como Nubank, Banco Inter e Agibank. O chato é que estão preservando marcas de um modelo de negócios que está entrando em desuso, aquele em que o cliente vai à agência para bater um papo com o gerente, que quase sempre oferece produtos interessantes para o banco, mas ruins para ele.

É uma estratégia equivocada.