Por que investi em Bova11?

(pichet_w/Thinkstock)
(pichet_w/Thinkstock)

Finalizando a série de postagens sobre as razões de aquisição dos ativos da carteira Daninvest, chegou a hora de falar sobre as ações da Bova11.

Mas o que é Bova11? É uma ação de empresa? Não, é uma ação de exchange-traded fund (ETF). Uma ETF é um fundo de investimento que emite ações. Ou seja, em vez de você aplicar seu dinheiro no fundo, você compra suas ações. Se o fundo render bem, ele gera lucro, paga dividendos e a ação é valorizada.

O Bova11 é uma ETF que acompanha o índice Bovespa, que é composto pelas ações mais transacionadas na Bolsa de Valores de São Paulo – a B3.

Comprei ações dessa ETF em 13/06/2019, no dia em que o relator da Reforma da Previdência leu seu parecer na Comissão Especial da Câmara dos Deputados. Depois de muita negociação, a proposta mantinha uma economia perto de 1 trilhão em 10 anos, o que agradava o mercado. Então percebi o conjunto de ações das principais empresas brasileiras ganhariam valor com a aprovação da Reforma.

Naquele dia, o Ibovespa beirava a casa dos 100 mil pontos. E com a acachapante votação a favor da Reforma no plenário da casa, já há investidores afirmando que o índice fechará o ano em 120 mil pontos.

O viés é positivo. Mas o risco sempre vai existir.

Fundos CDI são melhores no longo prazo

Artigo escrito originalmente em Janeiro/2018, mas que ainda tá valendo.

A bolsa brasileira, com exceção de uma empresa ou outra, foi um mau investimento nos últimos 10 anos. Em maio de 2008, quem tinha R$ 1.000 investidos num fundo que acompanhasse o Ibovespa, teria hoje R$ 1.152,10. Só que a inflação neste período foi de 76,57%. Logo, o valor investido deveria ter subido para R$ 1.765,67, NO MÍNIMO. Ou seja, quem deixou dinheiro parado num fundo que acompanha o índice Ibovespa acumulou um prejuízo de 35% em poder de compra, graças ao mau desempenho do Ibovespa e à alta inflação no período

E vou além! Vou provar agora que a bolsa brasileira é um mau investimento no longo prazo também. INVESTIR EM UM FUNDO QUE ACOMPANHA O CDI TEM SIDO MUITO MAIS RENTÁVEL NO LONGO PRAZO!

Veja a análise dos seguintes períodos:

 

Dez/2012 a Dez/2017 (5 anos)

Ibov – 25,35%

CDI  – 69,98%

 

Dez/2007 a Dez/2017 (10 anos)

Ibov – 19,59%

CDI  – 178,69%

 

Dez/1997 a Dez/2017 (20 anos)

Ibov – 556,59%

CDI  – 1.511,8%

 

Jul/1994 a Dez/2017 (quase 23,5 anos – Período do Plano Real)

Ibov – 1.297,41%

CDI  – 4.945,54%

 

Percebemos claramente que o CDI ganhou TODAS as vezes do Ibovespa nos períodos de curto e longo prazo, rendendo quase 3 vezes mais no mínimo.

Ok, vamos dar uma chance ao Ibovespa. Vamos fazer um teste reduzido. Analisemos a era de ouro das ações, que foi de 20/05/1998 a 20/05/2008 (10 anos):

Ibov – 606,35%

CDI  – 446,43%

 

Percebemos que o Ibovespa ganha do CDI, mas não por muito mais. Temos que levar em conta que, neste tipo de investimento, há risco de queda de uns 50% de valor. Já no CDI, estimo 2% de chances de um calote soberano. Logo vemos que a relação risco-rendimento (Índice Sharpe) do CDI é muito melhor que o do Ibovespa.

Digamos que o investidor, neste mesmo período de ouro, errasse no tempo de saída (já que não podemos prever o futuro) e não quisesse assumir as perdas logo de cara, escolhendo esperar uns 60 dias para encerrar suas posições, na esperança do Ibovespa voltar a subir. Aí teremos os seguintes números:

20/05/1998 a 20/07/2008 (10 anos e 2 meses)

Ibov – 476,36%

CDI  – 457,06%

 

Ele teria tido quase o mesmo rendimento do CDI, só que com muito mais volatilidade, incerteza e estresse. E se tivesse segurando as posições por mais algumas semanas, perderia.

Numa última hipótese, digamos que um investidor do mercado acionário de meados de 2009 percebeu que o Ibovespa estava engrenando nesta época. Ele  então decide investir neste índice. Comprou na baixa, porém com o mercado em franca ascensão. Quanto ele teria hoje de rentabilidade em relação ao CDI?

Mai/2009 a Dez/2017 (8 anos e 7 meses)

Ibov – 43,62%

CDI  – 137,83%

 

RESUMINDO

É furada essa ideia de que investir no índice Ibovespa é a melhor alternativa no longo prazo. O CDI sempre ganhou do Ibovespa em longos períodos e, se a cultura do empresariado e do governo brasileiro não mudar, continuará ganhando.

Para vencer o CDI, o investidor precisa acompanhar de perto o mercado acionário, para assim selecionar poucas e boas empresas, comprar e vender ações em curtos espaços de tempo e contar com uma boa dose de sorte. Em resumo, tem que ser um ótimo trader para vencer o CDI. Uma pessoa comum que apenas deposita seu dinheiro num fundo que acompanha o Ibovespa corre o risco de seu investimento nem vencer a inflação.

 

POR QUE ISTO ACONTECE?

Historicamente, tanto os empresários quanto governo gostavam de uma inflação em torno de 5%, talvez mais. Sempre que a economia aquecia um pouco, o IPC-A disparava. Com isso, a Selic era aumentada para arrefecer os ânimos inflacionários, elevando também a taxa CDI.

Enquanto perdurar a cultura empresarial de inflacionar os preços ao menor sinal de melhora da economia e enquanto o governo não gastar menos de fato, o CDI sempre baterá o Ibovepa no médio e longo prazo.

 

CONCLUINDO

Se você não é trader, deixe seu dinheiro em um fundo CDI. Tudo indica que você será um investidor vencedor em 5 anos ou duas décadas.

A não ser que a cultura do brasileiro mude.

______________________________________

Fontes:

 

Calculadora CDI Bacen >> https://www3.bcb.gov.br/CALCIDADAO/publico/exibirFormCorrecaoValores.do?method=exibirFormCorrecaoValores&aba=5

 

ìndices Ibovespa desde 1968 >> http://www.bmfbovespa.com.br/pt_br/produtos/indices/indices-amplos/indice-ibovespa-ibovespa-estatisticas-historicas.htm

Máxima histórica do Ibovespa é Fake News

O Ibovespa fechou a semana em sua máxima histórica em pontos, marcando 102.012,64. Nunca a bolsa brasileira havia atingido uma marca tão alta. Porém, a verdade é que, em poder de compra, ela já esteve muito mais alta.

De acordo com a consultoria Economatica, o recorde da bolsa foi em 20/05/2008, quando o Ibovespa atingiu a marca de 73.516 pontos. De lá pra cá, foi ladeira abaixo. Só que a inflação continuou acontecendo, corroendo mais ainda o valor das aplicações em bolsa. Resultado: corrigida pela inflação, o recorde da bolsa é, atualmente, 134.917 pontos.

Mais isto pode ser uma boa notícia para você que acredita que o Brasil vai disparar sua atividade econômica após a aprovação da Reforma da Previdência. Há uma margem de ganho de, pelo menos, 32% de rendimento.

Mercado não liga para Moro e Dallagnol

A bolsa de valores de São Paulo fechou praticamente estável no dia de hoje. Bem diferente do “Joesley Day”, o dia em que foram divulgadas conversas entre o dono da Friboi e Michel Temer. Naquele dia, o Ibovespa despencou 10% e o circuit braker foi acionado. Desta vez, nada parecido.

Deve ser porque os desdobramentos desse caso são bastante diferentes. E mais suaves, do ponto de vista dos negócios. Pois o que está na mira é um ministro demissível e um ex-presidente popular preso. O máximo que pode acontecer é Moro cair e Lula ser solto. E vida que segue.

É claro que o correto é que um juiz mantenha distância da acusação e da defesa. O caso deve ser investigado. Mas nada que abale as estruturas da República.

Seguir o Ibovespa no longo prazo é arriscado

Apresento o gráfico abaixo, que é o Índice Nikkei 225, que reúne índice de papéis das principais empresas do Japão:

indice_nikkei

Perceba que se você tivesse investido R$ 1.000 há 29 anos atrás num fundo que acompanhasse o índice, hoje você teria menos de R$ 900, fora a inflação e as taxas de administração. Chuto que você teria uns R$ 800 hoje. Ou menos.

09 Ações podem dar dinheiro, mas é preciso selecionar bem as empresas com potencial de valorização. Senão seu dinheiro será corroído pela estagnação e pela inflação.