Ainda há uma mina de ouro a ser explorada com a criação de Apps

Você consegue enxergar, no curto e médio prazo, algum dispositivo que vai substituir o celular? Eu não vejo. O que vislumbro num futuro próximo são os celulares literalmente se desdobrando para apresentarem uma tela maior. Mas continuarão sendo nossos computadores portáteis, um instrumento útil para trabalho e diversão.

Aliás, olhe em volta: o que as pessoas fazem em boa parte do seu tempo livre? Estão no Whatsapp, Facebook, Instagram, Netflix (ou em outro streaming), no Youtube, jogando ou usando algum app no celular.

Não é à toa que as emissoras de TV estão em crise, enxugando seu quadro de funcionários. Os bilhões da propaganda estão migrando para o mobile. No EUA, já se investe mais em propaganda online do que na TV aberta. E no Brasil, ano após ano, a TV aberta perde orçamento para a internet.

Ou seja: ainda há um caminhão de dinheiro para ser distribuído aos produtores de conteúdo online. Principalmente para os desenvolvedores de Apps.

Diversos brasileiros já contam com milhões no banco por terem desenvolvido jogos simples e divertidos, como um game de matar formigas. Outros faturam alto com apps de meditação e similares. Bons exemplos não faltam.

E o melhor: é um mercado incipiente, com grande potencial de expansão!

As baterias de celular feitas de grafeno vêm aí

Um dos maiores dramas do cidadão classe média do século XXI – a pequena duração da bateria de celular e o grande tempo usado para carregá-lo – pode ter fim em 2020.

A Samsung planeja mudar a composição de suas baterias de celular de lítio para o grafeno. E quer lançar modelos de celular com este tipo de bateria já no ano que vem.

E quais são as vantagens deste material?

1. Recarregamento mais rápido. Baterias de grafeno podem ter a carga completa em apenas meia hora;

2. Maior durabilidade. O grafeno demora mais tempo para desgastar-se do que o lítio. A bateria vai demorar mais tempo para ficar “viciada”;

3. Maior segurança. Volta e meio ficamos sabendo de alguns casos de baterias que pegaram fogo. De acordo com os especialistas, as características do grafeno diminuem drasticamente as chances de superaquecimento.

Spoofing é invasão de privacidade, não de celular

Spoofing
(Renovamídia)

Parte da imprensa tem se equivocado ao falar dos problemas que o ministro Sérgio Moro, Paulo Guedes e Joice Hasselmann tiveram com seus celulares hackeados. Muitas vezes os jornalistas têm se referido aos episódios como “invasão de celular”, quando na verdade a técnica usada foi de a de “Spoofing”.

Nesta técnica, o meliante em nenhum momento entra no sistema operacional do telefone móvel. O que ele faz é se passar pelo número da vítima para acessar aplicativos cuja validação é feita pelo número do telefone celular, como Whatsapp, Telegram, entre outros.

A recomendação para se proteger desses ataques é já largamente conhecida: evitar clicar em links suspeitos e proteger seus dados de desconhecidos, o que, convenhamos, é quase impossível nos dias de hoje.

Brasileiros acessam Internet mais pelo celular

(Reprodução da Pesquisa)
(Reprodução da Pesquisa)

Se você desenvolve conteúdo para web e se preocupa demais com o layout dos seus trabalhos no PC e de menos com a responsividade para celulares, saiba que está cometendo um sério erro.

A pesquisa TIC Domicílios 2017, produzida pela CETIC.Br, revelou que 49% dos lares brasileiros acessavam a internet exclusivamente através de celulares, enquanto 47% acessavam tanto pelo celular quanto computadores ou notebooks. Isso mostra o poder de inclusão que celulares pré-pagos possuem em camadas de baixa renda.

Evocando Marshall McLuhan, “O meio é a mensagem.” Portanto, a prioridade é produzir um conteúdo perfeito para celulares, e só depois se preocupar em adaptá-lo para desktops e tablets.

Cifre na cabeça? Culpa do celular!

(Olhar Digital)
(Olhar Digital)

Calma, não vamos falar de um cônjuge que utiliza o celular para traição.

Ma sim de uma descoberta de cientistas da Universidade Costa do Sol, na Austrália, que é um tanto quanto curiosa.

Eles perceberam que muitos jovens estão desenvolvendo esporões ósseos na parte de trás da cabeça. Eles alegam que a inclinação do crânio para frente é que está causando este distúrbio. E adivinha o principal motivo que estimula os jovem a ter esta postura incorreta? Pois é, o celular, o eterno vilão celular.

É evidente que qualquer exagero é condenável. Mas parece que o celular virou o culpado de todos os males do universo.

Menos, cientistas, menos…

Bill Gates admite erro estratégico em celulares

(Buzzingtrends)
(Buzzingtrends)

O lendário fundador da Microsoft admitiu que errou ao negligenciar o poder dos sistemas operacionais para celulares.

Em entrevista a uma empresa de investimentos, Bill Gates afirmou que a empresa não estava administrativamente preparada para entrar com força neste novo mercado.

É bom lembrar que o Windows foi para os computadores nos anos 80 o que o Android é para os celulares hoje em dia: um sistema operacional aberto e adaptável a diversos modelos de dispositivos. Ao contrário da Apple, cujo seu SO roda apenas em aparelhos da mesma marca.

É uma importante lição para que empresas consolidadas em seu segmento não se acomodem.

Conheça a bateria de celular que dura 7 dias

(Divulgação/Oukitel)
(Divulgação/Oukitel)

A duração de uma bateria de celular é o principal gargalo para que os novos aparelhos apresentem novidades realmente diferenciadas, e não apenas telas maiores. Os fabricantes estão cientes do problema e investem pesado em pesquisas neste componente específico. E parece que está ocorrendo progressos.

Pois a fabricante chinesa Oukitel  acaba de anunciar seu modelo de celular “Oukitel K12”, cuja bateria dura incríveis 7 dias. Este número representa o dobro de autonomia de alguns celulares que concentram seu diferencial na autonomia de suas baterias, como Moto G7 Power e Galaxy M30.

Ainda não há previsão do celular ser lançado no Brasil.

Como hackers invadiram o celular de Sérgio Moro

O escândalo causado pelo vazamento de troca de mensagens do então juiz e atual ministro da Justiça Sérgio Moro e o promotor Deltan Dallagnol tem na sua origem a invasão que hackers efetuaram no celular de Moro.

Danilo Barsotti, diretor de cibersegurança de uma empresa de TI, informou ao Infomoney que há variadas formas de invadir um sistema operacional de um celular.

Só que o mais comum não tem a ver tanto com codificação e ataques cibernéticos. É mais uma falha de segurança das operadoras de celular.

Barsotti afirma que, nesta caso, o fraudador consegue os dados da vítima e solicita à operadora a transferência do número para um novo chip. Esta maneira é chamada de SIM swap. Há também casos de ataques através de redes de wi-fi públicas.

Youtube é celular, celular é Youtube

Nada menos do que 70% dos vídeos exibidos pelo Youtube são assistidos em celulares. É o que diz a página Google Ads. É por isso que a filiada do Google vai permitir que anunciantes publiquem suas peças em modo vertical.

E com o crescimento dos vídeos do Instagram gravados também nessa posição, logo logo o Youtube vai dispor de visualizações de vídeos que são gravados com celular em pé.