Dono da Havan “pede a cabeça” de Sheherazade

Luciano Hang, dono das lojas Havan e um dos maiores patrocinadores do SBT, pediu a demissão de Rachel Sheherazade, jornalista que vem há meses tecendo duras críticas ao governo do presidente Bolsonaro. De acordo com a âncora do jornal SBT Brasil, está tudo está registrado o que ela considera uma “chantagem”.

Até o momento, o SBT não se pronunciou oficialmente sobre o caso. E na emissora, há um silêncio generalizado.

É bom lembrar que Sílvio Santos já deu um pito na jornalista em plena cerimônia de entrega do Troféu Imprensa. Será que o “bom velhinho” vai segurar a barra dessa vez?

Ações da Taurus vão sofrer hoje devido ao Senado

É possível que hoje seja um dia bem frustrante para os investidores da fabricante de armas Taurus. Pois ontem à noite o Senado rejeitou o decreto das armas de Bolsonaro, uma das suas principais bandeiras de campanha.

E não foi uma derrota apertada não. Foi acachapante! 47 contra 28. Evidência de que os Senadores não acreditam que um bangue-bangue brasileiro seria a melhor solução para a segurança pública.

As ações da Taurus têm sofrido com intensa especulação nos últimos 12 meses. Há um ano atrás, cada ação valia R$ 2,06. Em 19 de outubro, no auge da campanha eleitoral, chegou a valer incríveis R$ 12. Ou seja, se você tivesse investido R$ 1.000 a um ano atrás e vendido na eleição, teria embolsado R$ 4.250 líquidos, já descontados os impostos.

Mas aí veio a realidade da política brasileira, pois presidente não governa por decreto. Até ontem, elas estavam precificadas em R$ 3,31. A festa esfriou.

A economia está sendo tocada pelo Parlamento

O historiador Marco Antônio Villa acredita que descobriu a pólvora ao intitular seu último vídeo do Youtube com a frase “A Câmara assumiu o protagonismo político.” Isso é algo que qualquer pessoa minimamente antenada com o momento atual da política brasileira saberia constatar. Algo sobre o qual eu já havia tuitado lá atrás, em 22 de maio.

Rodrigo Maia tem razão em falar que a atual proposta da Reforma da Previdência é do Congresso, e não mais do Paulo Guedes ou Jair Bolsonaro. Pois se dependesse da articulação política desses dois…

Aliás, o Ministro da Economia até ameaçou a abandonar o Brasil e ninguém no mercado se assustou.

Sim, o Brasil vive um Parlamentarismo não-oficial. E isso não é ruim.

Mercado vê com bons olhos o relatório da Reforma da Previdência

Apesar do beicinho feito por Paulo Guedes, a Infomoney traz nesta segunda-feira reportagem afirmando que diversos grandes players do mercado financeiro gostaram do relatório do Deputado Samuel Moreira, considerando-o “robusto.” A economia está perto de 900 bilhões em 10 anos, ou seja, uns R$ 90 bilhões anuais de economia. Para se ter uma ideia, o déficit fiscal de 2019 está em cerca de R$ 100 bilhões. Ou seja, a Reforma da Previdência traz um senhor ajuste de contas.

Talvez o Ministro da Economia esteja sozinho na sua opinião. Ou talvez seja apenas uma estratégia para que o Parlamento pense que conseguiu uma vitória sobre o governo.

O Brasil vai melhorar.

Paulo Guedes também queria a saída de Levy do BNDES

É um erro achar que apenas Bolsonaro foi o responsável pela carta de demissão de Joaquim Levy. Ainda no sábado, no mesmo dia em que o Presidente do Brasil fez as polêmicas declarações em relação ao então presidente do BNDES, Paulo Guedes mostrou compreensão com a “angústia” de Bolsonaro. E o ministro já estava pressionando Levy há algum tempo. Ele queria que Levy providenciasse a devolução de bilhões aportados pelo Tesouro Nacional ao banco na era PT.

Paulo Guedes, porém, sai chamuscado do episódio. Foi ele quem bancou o ex-Ministro da Fazenda do Governo Dilma e ex-Secretário do Tesouro Nacional no governo Lula.

Sim, Paulo Guedes pode falhar.

Como hackers invadiram o celular de Sérgio Moro

O escândalo causado pelo vazamento de troca de mensagens do então juiz e atual ministro da Justiça Sérgio Moro e o promotor Deltan Dallagnol tem na sua origem a invasão que hackers efetuaram no celular de Moro.

Danilo Barsotti, diretor de cibersegurança de uma empresa de TI, informou ao Infomoney que há variadas formas de invadir um sistema operacional de um celular.

Só que o mais comum não tem a ver tanto com codificação e ataques cibernéticos. É mais uma falha de segurança das operadoras de celular.

Barsotti afirma que, nesta caso, o fraudador consegue os dados da vítima e solicita à operadora a transferência do número para um novo chip. Esta maneira é chamada de SIM swap. Há também casos de ataques através de redes de wi-fi públicas.

Os dólares estão voltando ao Brasil

Há cerca de um mês e meio que não se via o dólar a R$ 3,86. Se está baixando, é porque os dólares estão voltando. E voltando com força.

O investidor estrangeiro está olhando com outros olhos para cá. Está recomeçando a ter confiança no governo Bolsonaro. Abril foi um mês turbulento na relação entre o executivo-legislativo, e isso afastou grandes players do mercado. Agora que os ânimos se arrefeceram um bocado e os poderes estão se entendendo, o mercado volta a acreditar no Brasil. E contribuiu muito para isso a aprovação da MP 871 ontem, que começa a arrumar de fato as finanças do governo.

Que essa confiança se traduza em empregos.

A retomada do crescimento econômico começa HOJE, com a aprovação da MP 871

Senado Federal

Pelo menos 42 senadores da República estão reunidos neste momento em Brasília para aprovarem a Medida Provisória 871, que endurece o combate às fraudes do INSS. É esperado uma economia de pelo menos R$ 100 bilhões nos próximos 10 anos para os cofres públicos.

Se aprovada, será o início da reforma da previdência e o início da retomada do crescimento da economia brasileira. Pois o valor representa 20% da proposta da reforma da previdência de Michel Temer e 10% e da reforma de Bolsonaro. É um número considerável e nada desprezível.

Que os senadores façam a coisa certa, em nome dos 13,4 milhões de desempregados e 4,7 milhões de desalentados no Brasil.

Como foi a privatização do Banespa

Muitos funcionários do Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal temem a privatização destas instituições financeiras com a eleição de Bolsonaro ou Alckmin. Se um dia isso se tornar realidade, como os funcionários seriam tratados?

Tive acesso exclusivo ao depoimento de um ex-funcionário do Banespa, que não foi demitido e continuou trabalhando como funcionário do Santander:

“Fizeram um Plano de Demissão Voluntária (PDV) e saíram mais funcionários do que o esperado. Quem ficou, precisou abrir mão de certas coisas. Ficamos com o salário congelado 3 ou 4 anos, acabaram com os abonos de falta e compraram o anuênios. Continuamos com nosso fundo de pensão – Banesprev e nosso plano de saúde próprio – a Cabesp. Quem trabalhava ficou até se aposentar.  Não posso reclamar muito, apesar de ter o salário reduzido e a perda de direitos. Fiquei até  o final e só fui mandado embora porque entrei na justiça contra o banco, mas já estava aposentado pelo INSS.”

Bloquear por um tempo posts de amigos no Facebook

A discussão política no Facebook está enchendo o saco, não é verdade? Você entra da rede social para relaxar um pouco, dar umas risadas, e lá está o militante bolsonarista ou petista enchendo sua timeline palavras de ordem em formato de memes. Haja saco!

Mas há uma forma simples de resolver isso. Basta clicar no canto superior direito do post e selecionar a aba “Modo Soneca”. Pronto! Durante 30 dias você não verá mais posts desse amigo. Confira na imagem abaixo:

soneca