A onda bolsonarista passou

Há um ano atrás, após o 1º turno das eleições 2018, o Brasil vivia uma grande onda bolsonarista. Jair Bolsonaro quase foi eleito Presidente da República no 1º turno e centenas de deputados federais, alguns senadores e até governadores lograram sucesso surfando nesta onda e colando sua imagem ao futuro Presidente.

Só que, 12 meses depois, o cenário é bem diferente e bem mais difícil.

A economia continua patinando e, por isso, o desemprego continua alto. Diversos deputados federais e governadores já debandaram. Uma certa rádio paulista, antes claramente bolsonarista, já disse que não hesitaria em pular fora caso a maré virasse, que “estaria com os ouvintes” e não com Bolsonaro. Uma revista eletrônica anti-Lulista, que havia se agarrado a esta onda para derrotar o ex-presidente, essa semana publicou uma reportagem denunciando que influenciadores digitais eram aliciados financeiramente para falar bem do presidente. O MBL pulou fora em maio. E até mesmo um youtuber roqueiro muito famoso, que era bolsonarista até a alma, está sendo perseguido pelos “simpatizantes” do presidente.

Mas não para por aí. Lá fora, a maré liberal também virou. Mauricio Macri será derrotado na Argentina nas eleições deste fim de ano. Benjamin Netanyahu, aliado de Bolsonaro, também está ameaçado na liderança de Israel. E Donald Trump, o amigão da América, está sofrendo um processo de impeachment.

Tudo isso em menos de 1 ano de mandato.

Ou o desemprego começa a cair mais aceleradamente, ou Bolsonaro terá vida difícil nas eleições de 2022.

 

Versão em Videocast

Confira o resumo das regras de saque do FGTS

Finalmente a novela acabou!

O Governo Federal divulgou, na tarde de hoje, as tão aguardadas regras para saque de contas ativas e inativas do FGTS.

Todos vão poder sacar até R$ 500,00 com data-limite em março/2020. O valor será creditado automaticamente para trabalhadores que possuem conta poupança na Caixa.

Pode parecer pouco, mas cerca de 84,4% das contas de FGTS possuíam saldo inferior a um salário mínimo em 2017. Logo, a abrangência desta regra é larga. Sem falar que, para um assalariado mínimo, R$ 500 é bastante dinheiro.

A novidade está por conta do modalidade de Saque Aniversário: os detentores das contas ativas poderão sacar fatias mais substanciais do fundo anualmente, sem precisar fazer acordo com o patrão para ser demitido e assim ter acesso ao valor do fundo.

Veja mais detalhes no infográfico abaixo:

Infografico do resumo das regras de saque das contas de FGTS
(Internet)

Governo acha 140 mil aposentadorias irregulares

(Internet)
(Internet)

A MP 871, aprovada no início de junho, já está rendendo ao governo uma economia estimada em R$ 21 bilhões em 10 anos. E estes são números preliminares.

Reportagem do jornal O Globo traz a informação de que técnicos do governo federal suspenderam cera de 140 mil benefícios irregulares, como pagamentos realizados após a morte do aposentado, além de fraudes com documentos falsificados.

A Seguridade Social é fundamental para amparar nossos idosos na fase da vida em que temos mais dificuldade de trabalhar. Por isso é fundamental esta auditoria no pagamento dos benefícios, para que o dinheiro vá para quem realmente precisa.

A repercussão do post sobre Tabata Amaral

(Print do Facebook)
(Print do Facebook)

No dia 10 de julho, fiz um post sobre a decisão da deputada Tabata Amaral em contrariar a determinação do comando do seu partido, que a ameaçou de expulsão, e votar com a sua convicção.

Não entrei no mérito sobre ela estar certa ou errada. Apenas fiz um paralelo com o mercado de trabalho destacando que, quando o profissional é qualificado, ele não teme ser demitido se contrariar as vontades do chefe ao fazer o que acha que é correto.

O tema evidenciou, mais uma vez, a polarização política no Brasil. Reitero que a questão central do post não era avaliar a posição política da deputada. Mas não adianta: atualmente, no Brasil, política virou futebol. Tudo é motivo para debate.

No Facebook, a postagem gerou dezenas de reações. Dos 71 comentários até o momento, foram 15 a favor e 41 contra. Já nas curtidas, foram 35 a favor e 22 contra. E 20 compartilhamentos.

No balanço final, foram 70 reações a favor e 63 contra.

Como não é necessário uma votação majoritária para que a deputada se reeleja, acredito que Tabata ganhou muito mais do que perdeu com o episódio.

Petrobras e Banco do Brasil aceleram desinvestimentos

Refinaria da Petrobras
(internet)

Reportagem do Estadão deste domingo mostrou que, apesar do programa de desestatização do governo estar indo devagar, empresas como Petrobras e Banco do Brasil estão realizando desinvestimentos de forma acelerada.

Somente no 1º semestre, as estatais brasileiras arrecadaram um total de R$ 54 bilhões entre concessões e privatizações.

Destaque para a Petrobras, que já levantou cerca de R$ 33,1 bilhões somente com a venda da subsidiária Transportadora Associada de Gás (TAG).

Mais modesto, porém ágil, foi o Banco do Brasil, que também contribuiu com aproximadamente R$ 1,8 bilhão ao vender sua participação na Neoenergia.

Até o fim do governo Bolsonaro, a meta do Ministério da Economia é arrecadar R$ 450 bilhões.

Museu dos Memes no Rio de Janeiro

(Divulgação)
(Divulgação)

Os meme nosso de cada dia ganhou tanta relevância na sociedade que já é digno de ganhar um museu próprio!

É isso aí! Sabe aqueles memes engraçados ou de fake news que você recebe no seu Whatsapp todos os dias? Ele pode estar agora em exposição no Museu da República, no bairro do Catete, no Rio de Janeiro. O projeto é uma realização da Universidade Federal Fluminense.

Confira datas e horários:

Até 24/08/19 no Museu da República.
Terça à sexta: das 10h às 17h
Sáb, dom e feriado: 11h às 18h.
Ingresso: R$ 6 – Entrada franca às quartas e domingo.

É sempre bom lembrar que o Museu da República está situado no Palácio do Catete, antiga residência oficial do Presidente da República, onde ocorreu um dos fatos mais marcantes de nossa história: o suicídio de Getúlio Vargas. Está tudo lá documentado e em exposição. Vale muito a pena!

Armínio Fraga não concorda com um Estado mínimo

Armínio Fraga
(Wikimedia Commons/Wikimedia Commons)

Diferentemente dos “Chicago Boys”, economistas liberais que defendem um Estado mínimo (como Paulo Guedes), Armínio Fraga tem uma ideia de Estado médio para o Brasil.

Em entrevista para a revista “Veja”, Fraga diz que não é um defensor do Estado pequeno pois, no Brasil, há diversos problemas a serem resolvidos, principalmente na questão da desigualdade.

É bom lembrar que Armínio Fraga é bem quisto pelo mercado. Já foi presidente do Banco Central e seria Ministro da Fazenda de Aécio Neves, em 2014, caso ele vencesse.

Logo, este dogma do Estado mínimo não é unanimidade entre aqueles que detém a confiança dos empregadores do Brasil.

Capitalização na Previdência é uma proposta ruim

(Pinterest)
(Pinterest)

Uma dos pontos mais polêmicos da Reforma da Previdência encaminhada pelo governo ao legislativo foi a chamada Capitalização da Previdência. Neste modelo, cada um seria unicamente responsável por formar seu próprio pé-de-meia para a aposentadoria.

Este ponto caiu durante as discussões na Comissão Especial da Câmara dos Deputados, o que facilitou a aprovação da Reforma.

Este modelo é, no mínimo, fora de hora para a sociedade brasileira. Primeiro porque os brasileiros não têm a cultura da poupança. Segundo porque cerca de metade dos trabalhadores não tem carteira assinada e não contribuem para o INSS por fora.

O terceiro ponto, e mais importante, é uma evidência estatística: de acordo com um relatório da Organização Internacional do Trabalho (OIT), de 30 países emergentes que adotaram a capitalização entre 1981 e 2014, 18 modificaram seu sistema devido a vários problemas, como aposentadorias baixas e aumento da desigualdade.

Como diria Aristóteles, Virtus in medium est. A virtude está no meio. A solução está no equilíbrio entre o estado e o indivíduo.

Caso Tabata é exemplo para o mercado de trabalho

(internet)
(internet)

A deputada Tabata Amaral ganhou evidência na votação da Reforma da Previdência por ir contra a determinação do seu partido, o PDT, de votar não ao texto. Tabata foi até mesmo ameaçada de expulsão pelo partido.

Para quem não a conhece, Tabata foi uma aluna de destaque no ensino médio. Tanto que despertou a atenção de diversas universidades americanas. Sim, ela pôde ESCOLHER onde estudar. E cursou Harvard.

E por que ela é um exemplo para o mercado de trabalho? Porque Tabata Amaral demonstra que, com qualificação, ninguém teme demissão.

E não falo de profissionais com diplomas importantes como Harvard, USP, UFRJ… falo em qualificar-se de tal forma que a sua competência, seu diferencial e seu valor fiquem evidentes perante aos olhos dos contratantes, perante aos olhos do mercado.

Com qualificação, o profissional pode SE IMPOR no mercado de trabalho. Pode “demitir” seu atual chefe por ter conseguido empresa melhor para trabalhar. Pode até mesmo montar sua empresa.

Qualificação! Já falei isso e falo de novo. Qualifique-se. Hoje em dia é muito mais fácil qualificar-se, pois a internet é grande aliada nesse sentido.

Busque qualificação, diferencial, competência. Saiba fazer e saiba fazer bem. E deixe isso muito claro ao olhos do mercado. Assim você consegue autoridade moral para dizer “não” ao seu superior quando achar que deve, assim como fez a deputada nesta noite.

E que, nesse momento, já deve ter em mãos vários convites para ingressar em outros partidos.

Reforma da Previdência passa com facilidade

(Luis Macedo/Câmara dos Deputados)
(Luis Macedo/Câmara dos Deputados)

O divisor de águas da Reforma da Previdência foi hoje, 10 de julho de 2019. Hoje ficou provado que a Reforma da Previdência vai estar em vigor em aproximadamente 3 meses. Os 379 votos a favor comprovam isso.

Este era o principal embate que os apoiadores da Reforma esperavam ganhar: a votação no 1º turno no Plenário da Câmara dos Deputados. Pois sabemos que o 2º turno será uma repetição quase exata do primeiro em número de votos. E o Senado, como vimos no impeachment da Dilma, costuma apenas referendar a decisão da Câmara em se tratando de assuntos polêmicos, uma vez que a pressão é muito mais concentrada sobre cada uma das 81 cabeças do Senado do que das 513 da Câmara, onde a cobrança é mais distribuída.

Que seja um marco também da recuperação econômica do país com geração de empregos.