Cuidado com a fintech em que seu dinheiro está

Fintechs
(internet)

O lançamento de diversos apps de serviços financeiros é muito saudável para aumento da concorrência e, com isso, a diminuição dos custos dos serviços bancários. Mas como em todo o mercado que conquista um crescimento vertiginoso, vem a pergunta: há espaço para todos?

De acordo com analistas ouvidos pelo Estadão, não. A demanda é insuficiente.

No momento, os bancos digitais não têm reportado robustos lucros. Alguns dão até prejuízo. O foco, neste momento, é aumentar a base de clientes, para depois oferecer um leque de serviços financeiros com preços bem mais em conta do que os praticados pelos bancões.

O mercado de bancos digitais está na (boa) fase de de crescimento. Tudo é festa. Mas acredito que, em cerca de 4 anos, ele se consolidará com a compra de algumas fintechs pelos grandes bancos, a consolidação de outras no mercado e a falência das demais.

Por isso, caro leitor, tenha cuidado.

A repercussão do post sobre Tabata Amaral

(Print do Facebook)
(Print do Facebook)

No dia 10 de julho, fiz um post sobre a decisão da deputada Tabata Amaral em contrariar a determinação do comando do seu partido, que a ameaçou de expulsão, e votar com a sua convicção.

Não entrei no mérito sobre ela estar certa ou errada. Apenas fiz um paralelo com o mercado de trabalho destacando que, quando o profissional é qualificado, ele não teme ser demitido se contrariar as vontades do chefe ao fazer o que acha que é correto.

O tema evidenciou, mais uma vez, a polarização política no Brasil. Reitero que a questão central do post não era avaliar a posição política da deputada. Mas não adianta: atualmente, no Brasil, política virou futebol. Tudo é motivo para debate.

No Facebook, a postagem gerou dezenas de reações. Dos 71 comentários até o momento, foram 15 a favor e 41 contra. Já nas curtidas, foram 35 a favor e 22 contra. E 20 compartilhamentos.

No balanço final, foram 70 reações a favor e 63 contra.

Como não é necessário uma votação majoritária para que a deputada se reeleja, acredito que Tabata ganhou muito mais do que perdeu com o episódio.

Antipatia gera prejuízo para Bruna Marquezine

Bruna Marquezine
(Internet)

De acordo com Leo Dias, jornalista do mundo das celebridades, Bruna Marquezine tem sido propositalmente mais simpática com fãs e jornalistas.

Ele explica que a reputação que a atriz conquistou entre seus colegas era a de ser uma celebridade antipática e inacessível. Com isso, seu cachê caiu vertiginosamente.

Este problema de imagem gerava diversas notas negativas sobre a jovem todos os dias nos veículos de comunicação. Para contornar esta situação, sua empresária Juliana Mattoni usou a mesma estratégia que Tiririca ofereceu ao Bolsonaro: descer do pedestal.

O episódio ilustra bem como um(a) profissional que lida com o público, como vendedores, políticos(as) e empresários(as), deve se portar: simpático(a) e acessível. Senão o cliente se afasta. E gera prejuízo.

Petrobras e Banco do Brasil aceleram desinvestimentos

Refinaria da Petrobras
(internet)

Reportagem do Estadão deste domingo mostrou que, apesar do programa de desestatização do governo estar indo devagar, empresas como Petrobras e Banco do Brasil estão realizando desinvestimentos de forma acelerada.

Somente no 1º semestre, as estatais brasileiras arrecadaram um total de R$ 54 bilhões entre concessões e privatizações.

Destaque para a Petrobras, que já levantou cerca de R$ 33,1 bilhões somente com a venda da subsidiária Transportadora Associada de Gás (TAG).

Mais modesto, porém ágil, foi o Banco do Brasil, que também contribuiu com aproximadamente R$ 1,8 bilhão ao vender sua participação na Neoenergia.

Até o fim do governo Bolsonaro, a meta do Ministério da Economia é arrecadar R$ 450 bilhões.

Por que investi em Bova11?

(pichet_w/Thinkstock)
(pichet_w/Thinkstock)

Finalizando a série de postagens sobre as razões de aquisição dos ativos da carteira Daninvest, chegou a hora de falar sobre as ações da Bova11.

Mas o que é Bova11? É uma ação de empresa? Não, é uma ação de exchange-traded fund (ETF). Uma ETF é um fundo de investimento que emite ações. Ou seja, em vez de você aplicar seu dinheiro no fundo, você compra suas ações. Se o fundo render bem, ele gera lucro, paga dividendos e a ação é valorizada.

O Bova11 é uma ETF que acompanha o índice Bovespa, que é composto pelas ações mais transacionadas na Bolsa de Valores de São Paulo – a B3.

Comprei ações dessa ETF em 13/06/2019, no dia em que o relator da Reforma da Previdência leu seu parecer na Comissão Especial da Câmara dos Deputados. Depois de muita negociação, a proposta mantinha uma economia perto de 1 trilhão em 10 anos, o que agradava o mercado. Então percebi o conjunto de ações das principais empresas brasileiras ganhariam valor com a aprovação da Reforma.

Naquele dia, o Ibovespa beirava a casa dos 100 mil pontos. E com a acachapante votação a favor da Reforma no plenário da casa, já há investidores afirmando que o índice fechará o ano em 120 mil pontos.

O viés é positivo. Mas o risco sempre vai existir.

Google não desiste e lança nova rede social

Shoelace - A Rede Social do Google
(Internet)

Quem pensou que o Google havia desistido de “se socializar” após o fracasso da rede social Google Plus estava enganado.

Eis que a gigante das buscas está de volta neste mercado com uma nova tentativa, chamada “Shoelace” que, em inglês, significa “cadarço.” Esta nova rede social tem menor ambição e vai trabalhar em um nicho bem específico: conexão de jovens interessados em eventos e atividades.

O propósito lembra bastante a funcionalidade de eventos do Facebook, muito útil nos dias de hoje, principalmente em festinhas de crianças.

Por enquanto o app está em fase experimental e disponível apenas para moradores da cidade de Nova York.

Será que agora vai, Google?

Fintech já permite empréstimos entre pessoas

(Dollar Photo Club)
(Dollar Photo Club)

Até há uns 2 anos atrás, você não podia cobrar juros se emprestasse dinheiro a um parente ou amigo. Na verdade, segundo as regras vigentes do bom relacionamento, ainda é de bom tom não realizar essa cobrança.

Mas para um desconhecido, você já pode emprestar e cobrar. Calma, não estou falando de agiotagem, e sim do app Mutual. Com ele você consegue emprestar para outras pessoas e receber juros por isso, como se você fosse um banco, só que sem CNPJ.

O Mutual ainda não tem um grande concorrente, mas isso é questão de tempo. Logo logo os bancões terão que competir com milhares de pessoas emprestando umas para as outras. Aí eu quero ver não baixar os juros.

Interações no Google Assistente não são privadas

Google Assistente

Sabe a função presente nos celulares android e relativamente nova, chamada Google Assistente? Então, tenha cuidado com o que você vai perguntar ali.

Digo isso porque o Google admitiu que 0,2% das interações dos usuários com este sistema não são totalmente privadas. Ou seja, suas informações podem estar nas mãos de terceiros sem sua expressa autorização.

O Google informou que este “vazamento oficial” ocorre para que analistas estudem o robô e melhorem seu desempenho.

Assim como o Google, a Apple também tem o seu robô, chamado Siri. Porém não há informações ou indícios de que as conversas também sejam disponibilizadas a terceiros.

 

Fim de uma era: Net acaba e agora é Claro

(Reprodução)
(Reprodução)

Os clientes da Net receberam ontem por e-mail um comunicado surpreendente: a marca vai deixar de existir, e será absorvida pela Claro.

A Net é referência no mercado de TV por assinatura e internet banda larga. Por mais defeitos que tivesse, sempre foi a mais estável, com melhor sinal, melhor transmissão e melhor custo-benefício.

Desde 2010, a Net era controlada pela Embratel que, por usa vez, era controlada pela mexicana America Móvil.

Só que a Claro também faz parte deste conglomerado mexicano. Ao final de 2014, Claro e Net se fundiram em um só CNPJ, mas operando separadamente.

Só que, agora, José Antonio Guaraldi Felix decidiu que era hora da marca Net deixar de existir.

Que a qualidade não caia.

Lamborghini é construída com impressora 3D

Lamborguini feita em impressora 3d
(Reprodução/Facebook)

Parece que não há limites para as possibilidades de uma impressora 3D. A indústria que se cuide!

Veja essa: um físico americano e seu filho conseguiram a façanha de construir nada menos do que uma Lamborghini Aventador, um carro que custa nada menos do que R$ 1,5 milhão!

Mas não está sendo baratinho construí-lo não: o pai disse que já desembolsou cerca de US$ 20 mil para desenvolver a réplica.

A ideia surgiu depois que ele e seu filho estavam jogando videogame, até que o menino perguntou ao pai se era possível construir um carro igual ao do jogo.

Parece que sim!