Como foi a privatização do Banespa

Muitos funcionários do Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal temem a privatização destas instituições financeiras com a eleição de Bolsonaro ou Alckmin. Se um dia isso se tornar realidade, como os funcionários seriam tratados?

Tive acesso exclusivo ao depoimento de um ex-funcionário do Banespa, que não foi demitido e continuou trabalhando como funcionário do Santander:

“Fizeram um Plano de Demissão Voluntária (PDV) e saíram mais funcionários do que o esperado. Quem ficou, precisou abrir mão de certas coisas. Ficamos com o salário congelado 3 ou 4 anos, acabaram com os abonos de falta e compraram o anuênios. Continuamos com nosso fundo de pensão – Banesprev e nosso plano de saúde próprio – a Cabesp. Quem trabalhava ficou até se aposentar.  Não posso reclamar muito, apesar de ter o salário reduzido e a perda de direitos. Fiquei até  o final e só fui mandado embora porque entrei na justiça contra o banco, mas já estava aposentado pelo INSS.”

Youtube e Doritos, as marcas queridas dos jovens

Um estudo elaborado pela consultoria norte-americana de marketing Ypulse listou as marcas preferidas da Geração Z que, segundo eles, são os nascidos(as) a partir de 1997.

O Youtube foi o campeão de preferência, seguido do snack Doritos. Em terceiro vem o biscoito recheado Oreo, seguido pelo Netflix e Hershey´s.

Vale lembrar que a pesquisa foi feita com jovens americanos. Porém sabemos que a cultura norte-americana é referência para os nossos jovens.

Bitcoin já perdeu metade do seu valor em 2018

O ano de 2018 não tem sido nada bom para quem investiu em Bitcoins no final de 2017. Desde 1 de janeiro, a criptomoeda perdeu metade do seu valor. Passou de R$ 53.149 por moeda para  R$ 25.945.

Já quem investiu no começo de 2017 não tem do que reclamar. A moeda estava em R$ 3.650 naquela época. Logo, o valor investido foi multiplicado por sete.

Revista Time é vendida para empresa de tecnologia

Foi divulgada hoje a venda da revista Time para Marc Benioff, presidente da empresa de software Salesforce, pelo valor de US$ 190 milhões.

A transação reforça a tese de que o core business do jornalismo será a informação digital, mais barata e menos física, o que vai acarretar demissões de jornalistas jurássicos e com gordos salários.

Sem dúvida a tradicional revista americana será modernizada e agregará valor tecnológico à sua credibilidade.

Folha alerta grandes bancos para as Fintechs

É impressionante a força da revolução das Fintechs. Quase que diariamente temos notícias sobre essa esperança de maior competição no mundo financeiro.

Hoje foi a Folha de São Paulo que trouxe uma reportagem bacana sobre o desafio que os grandes bancos terão com a competição das Fintechs.

Evidentemente, muitas que se destacarem serão absorvidas (compradas). Mas algumas resistentes poderão fazer história, assim como fez o Facebook, ao resistir vender-se para o Yahoo e hoje ser uma das empresas mais valiosas do mundo.

A fragilidade das previsões econômicas

Ninguém pode prever o futuro. Ninguém sabe o que vai acontecer daqui a 1 ano na economia. Os analistas sérios trabalham com possíveis cenários. Os pilantras cravam previsões.

Vale a pena sempre ficar com um pé atrás. Veja esse recorte que tirei de uma reportagem da revista Exame de 2016, que corrobora esta ideia:

previsoes_furadas

Está mais barato financiar imóveis mais caros

A Caixa reduziu para 8,75% ao ano a taxa de juros para imóveis residenciais que valem mais de R$ 750 mil ou imóveis comerciais, ou outros que se enquadram no Sistema de Financiamento Imobiliário.

Como a inflação IPCA está por volta de 4,19%, a taxa de juros real fica em 4,6%.

Nada mal.

7 dicas para ser estável na iniciativa privada

Um dos maiores atrativos do emprego público é, sem dúvida, a estabilidade. Porém é possível ser estável também na iniciativa privada. Eis as dicas:

  1. Busque qualificação sempre;
  2. A cada 6 meses, atualize seu currículo com uma habilidade ou dado novo;
  3. Busque um emprego com carteira assinada;
  4. Seja responsável e profissional;
  5. Fale pouco;
  6. Tenha um “colchão financeiro”;
  7. Tenha uma rede de contatos ativa.

Para mais detalhes, confira meu artigo completo.

Qualifique-se e se imponha no mercado

A grande maioria da massa dos desempregados brasileiros carecem, infelizmente, de qualificação ou demanda de sua qualificação.

Ou eles não são bons o suficiente para superar seus concorrentes, ou o conhecimento que detém não é tão importante assim para o mercado de trabalho. Por isso, a qualificação direcionada é a chave para sempre ter trabalho. É o remédio certo para o desemprego.

Mais do que isso. Com qualificação única, você pode demitir seu patrão mala, pois conseguiu um emprego melhor em outra empresa.

Qualificação é tudo. Estude, estude, estude!