Entenda facilmente o conceito EBITDA

(Internet)
(Internet)

Um importante dado indicativo da boa saúde de um negócio é o Ebitda. Você sabe o que é?

Ebitda é uma sigla em inglês para Earnings before interest, taxes, depreciation and amortization. Em português, “Lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização” (também conhecida como Lajida).

Simplificando, Ebitda é o lucro bruto do negócio. É o quanto ele faz de dinheiro, menos o custo operacional.

A análise do Ebitda é importante porque define qual é a margem de ganhos que uma empresa gera em seu estado natural. Se ela for magra antes mesmo de se descontar impostos e outras obrigações, é sinal de que aquele negócio não está tão rentável assim e que sua sobrevivência no médio e longo prazo corre sério risco.

Por outro lado, muitas vezes o Ebitda é alto mas o lucro líquido é baixo, o que passa uma falsa sensação de que o negócio é fraco. Mas nesse caso, basta alguns ajustes nas obrigações pós Ebitda para que a empresa volte a ser uma máquina de gerar dinheiro.

Carteira Daninvest valorizou-se 105,95% no 1º Semestre

placa_rendimento_carteira_daninvest_1o_semestre_2019_2

O 1º semestre foi ótimo para os investimentos em ativos variáveis. Com a perspectiva da melhora da economia, os grandes players do mercado tiraram o escorpião do bolso e apostaram nas empresas brasileiras. Tanto é que o Ibovespa valorizou-se 14,9% no período.

Mas para a carteira Daninvest, o período não foi ótimo não… foi fantástico! A carteira conquistou um resultado espetacular: rendimento de 105,95% no 1º semestre de 2019. Ou seja, ela mais que DOBROU de valor!

Mas o que é a Carteira Daninvest?

É simplesmente os investimentos que faço em renda variável. 90% do meu patrimônio está alocado em renda fixa (Tesouro Selic, FGTS e Fundo de Pensão), os outros 10% estão aplicados em renda variável.

Como foi o desempenho da carteira?

carteira_daninvest_1o_semestre_2019

Note que os valores estão mensurados por pontos, por questão de sigilo patrimonial.

Devo destacar que a grande sensação do período foi o Banco Pan. Comprei papéis da empresa assim que saiu a notícia no Money Times de que a Caixa estava querendo vender sua participação no antigo banco do Sílvio Santos. Como o mercado adora uma privatização, resolvi surfar na onda. Só que não esperava tanto: de R$ 2,11 em 28/01, as ações estão precificadas hoje em incríveis R$ 10,20! Posteriormente, além da perspectiva de sua venda pela estatal, contaram também a digitalização acelerada dos seus serviços e a recomendação da Empiricus para a compra deste ativo.

Veja a importância que o ativo ganhou na carteira no período, saltando de 21,2% para 43,5%:

Início do Semestre
Início do Semestre
Fim do Semestre
Fim do Semestre

Para o post não ficar muito extenso, vou parando por aqui. Mas voltarei a fazer comentários sobre a carteira nos próximos posts. E todo início de mês farei a atualização do seu valor.

Ah, e só para deixar claro: esse post não configura sugestões ou orientações de investimentos. É apenas demonstrativo.

Neoenergia (NEOE3) faz boa estreia na bolsa

(Nelson Antonie/EFE)
(Nelson Antonie/EFE)

A holding Neoenergia, uma gigante do setor elétrico brasileiro e distribuidora de energia em São Paulo, Mato Grosso do Sul, Bahia, Pernambuco e Rio Grande do Norte, fez uma boa estreia nos 3 primeiros dias na Bolsa de Valores de São Paulo.

Com a sigla NEOE3, a ação da empresa valorizou-se cerca de 12% desde que sua IPO foi lançada. Um dos seus diferenciais está no foco de investimentos em energias renováveis.

Um detalhe deste evento foi o desinvestimento realizado pelo Banco do Brasil, que vendeu sua fatia de 9,3% de participação na empresa, seguindo as diretrizes do Ministério da Economia.

Paulo Guedes não é amigo dos bancões brasileiros

(Reprodução/Youtube)
(Reprodução/Youtube)

De acordo com Lauro Jardim, o Ministro da Economia foi contra a um interesse dos bancões brasileiros.

Segundo o colunista, Guedes vetou pessoalmente um vultuoso empréstimo de R$ 320 milhões, através do BNDES, para o Quod, um sistema de cadastro de inadimplentes semelhante ao SPC e Serasa, cujos sócios são os cinco maiores bancos do Brasil.

Este fato me lembra um trecho da entrevista de Paulo Guedes na GloboNews esse ano, em que disse: “Está ficando muito claro para o brasileiro comum o seguinte: tem 5 bancos, tem 6 empreiteiras […] e 200 milhões de patos.”

Assim como a Globo, os bancões terão dias difíceis nos próximos 3,5 anos.

Mas Paulo Guedes não era o Ministro dos sonhos dos grandes investidores?

Lista de estatais a serem privatizadas está feita

(Wilton Jr / Estadão)
(Wilton Jr / Estadão)

A colunista Bela Megale traz a notícia em seu blog no jornal O Globo de que o Ministério da Economia já fechou a lista das estatais que serão privatizadas, extintas e mantidas.

As que puxam a fila das privatizações são as empresas Correios e Eletrobrás, ambas deficitárias há algum tempo.

A Empresa Brasil de Comunicação (EBC) será reduzida, porém mantida. Assim como, muito provavelmente, Petrobras, Banco do Brasil e Caixa, porém sem suas subsidiárias.

Entre as extintas, certamente estará a Infraero, após a venda dos aeroportos.

A equipe econômica está aguardando apenas a aprovação da Reforma da Previdência para anunciar o pacote.

Crescimento populacional vs Crescimento do PIB

(Foto/Jornal de Negócios do Sebrae/SP)
(Foto/Jornal de Negócios do Sebrae/SP)

Em 2015, a estimativa populacional do Brasil era de 206 milhões de pessoas. Em 2018, a estimativa foi de 208,4. Ou seja, em 3 anos, um crescimento de 1,16%.

Então por que diabos os economistas insistem em querer que o Brasil tenha um crescimento do PIB consistente, na casa dos 3% anuais? Não bastaria acompanhar o crescimento populacional? Se a população cresce em ritmo lento, porque o PIB precisa crescer aceleradamente?

Basicamente por 2 motivos.

Primeiro, o PIB per capita é de aproximadamente R$ 32.629, ou R$ 2.719 por mês. Dependendo do local em que se vive, pode ser muito ou pouco. Mas como a maioria dos brasileiros vive em centros urbanos, é pouco. Mas é pior: sabemos que há desigualdade entre rendimentos. A maior parte da população vive com um salário mínimo cada.

Isso nos leva ao segundo motivo. Com crescimento baixo, o mercado torna-se um jogo de soma-zero. Ou seja, para alguém ganhar, outro vai ter que perder. Sem geração de valor, será muito difícil para que o pobre melhore sua renda. Pois para isso, algum rico terá que diminuir a sua. E dadas as condições do jogo, o rico tem muito mais chances de manter seu patrimônio do que o pobre tem de tirar-lhe um pedaço. E não pense que o estado pode resolver essa parada. Pois o nível de impostos já está nas alturas, o que desestimula os ricos a investirem em negócios que gerem riqueza. Esse não é o caminho.

Para se promover a diminuição da pobreza, o caminho é estimular a livre iniciativa e conter os oligopólios.

É fazer de tudo para a economia decolar!

A Previdência e o futuro automatizado do trabalho

(Imagem: Getty Images/iStockphoto)
(Imagem: Getty Images/iStockphoto)

Merval Pereira, em sua coluna deste último sábado, levantou uma importante questão que relaciona a Previdência com o trabalho cada vez mais robotizado. Pois de acordo com José Roberto Afonso, professor do Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP), a Reforma da Previdência é necessária, mas insuficiente para lidar com o futuro do trabalho laboral cada vez mais automatizado por algoritmos.

Nas palavras do professor, haverá “um desemprego tecnológico brutal, provocado por robôs, economia compartilhada e outras realidades novas.” Com isso, a quantidade de salários pagos será menor e, por consequência, as contribuições previdenciárias também.

Rodrigo Maia e Paulo Guedes de boa novamente

(Valter Campanato/Agência Brasil)
(Valter Campanato/Agência Brasil)

Boa notícia para as contas públicas do Brasil. De acordo com o site O Antagonista, Rodrigo Maia e Paulo Guedes se falaram na quinta-feira por telefone, no mesmo dia em que o Presidente da Câmara cancelou uma importante sessão da comissão especial que está tratando os últimos detalhes da Reforma da Previdência.

Ambos admitiram mea-culpa na deterioração da relação entre o executivo e o legislativo, e perceberam que ambos iriam perder com isso.

Depois dessa conversa, o calendário dos trabalhos da Reforma da Previdência foram mantidos, com expectativa de que a matéria seja votada na Câmara em dois turnos até dia 18 de julho.

Repaginada da Rádio Globo não deu certo

(Reprodução Youtube)
(Reprodução Youtube)

A colunista Keila Jimenez, do R7, trouxe a tona uma evidência incômoda para as Organizações Globo, no que se refere a rádio. Em um dos seus posts, ela afirma que a emissora bem que tentou trazer medalhões da televisão, como Otaviano Costa, Adriane Galisteu, Fernanda Gentil e Maju Coutinho. Mas o projeto não deu certo, está se desfazendo.

Não houve acréscimo de audiência, nem de faturamento. E com isso, a Rádio Globo, assim como a TV Globo, está promovendo demissões destes nomes.

É bom ressaltar que a colunista é da R7, da Record, histórica rival da Globo. Mas você aconhece alguém que ouve esta estação?

Rebatendo mitos do mercado de ações

(Filme O Mentiroso)
(Filme O Mentiroso)

Desde jovem sempre investi no mercado de ações. Às vezes parava, as vezes voltava, mas sempre estive de olho neste mercado e, principalmente, mas ideias que o circundam.

Decidi então escrever este artigo para refletir sobre lugares-comuns, ou melhor, mentiras tão propaladas por aí, principalmente por aqueles que querem vender ideias fáceis sobre o mercado e lucrar com isso;
“Você deve comprar quando todos querem vender e deve vender quando todos querem comprar”

Sim, é verdade. Mas como saber exatamente quando é a hora de vender e quando é a hora de comprar? Ninguém tem bola de cristal. Se um investidor quer entrar no mercado num momento de crise, nunca terá a certeza de que aquela é a hora certa de comprar e subir ou se ainda vai amargar mais prejuízos. E a recíproca é verdadeira. É muito difícil para um investidor, por mais experiente que seja, se desfazer de suas ações quando todos estão eufóricos com a recente alta do mercado e esperando que ele se valorize ainda mais. “Mas aí deve-se consultar especialistas”, alguém vai dizer. Só que a verdade é que todos os especialistas são, no fundo, palpiteiros. Não que sejam canalhas, mas são simplesmente seres humanos que se baseiam em dados do passado na ânsia de prever o futuro. E como ninguém é adivinho, todos podem errar. Há aqueles que palpitam bastante, pois assim as chances de acertar são maiores. E quando acertam, exaltam suas previsões bem-sucedidas e ocultam as erradas.

“Larguei meu emprego para operar Day-trade e estou tirando mais do que eu ganhava de salário.”

Mentira já rebatida neste post. Aconselho que o leia. Em resumo, é menos arriscado e tem melhor custo benefício ser um motorista de Uber do que ser day-trader.  Operar com Day-trade é ter as mesmas chances de jogar cara-e-coroa. Pode até dar certo durante algum tempo, mas no longo prazo o investimento dá prejuízo.
“Para ser um investidor bem sucedido, é preciso se informar bastante.”

Mentira. O investidor que fica toda hora se informando, acessando diversos sites, ouvindo diversos economistas, acaba ficando confuso, perdido. Principalmente em momentos de crise aguda, como em 2008, quando o pânico é geral e ninguém mais se entende. No mercado financeiro, excesso de informação é altamente prejudicial.

Enfim, comprar e vender ações com frequência pode até ser divertido. Mas se você pretende viver disso, e pior, usando a maior parte do seu patrimônio, esqueça. Em vez disso, trabalhe, produza algo, seja útil ao desenvolvimento da sociedade em que você vive. E aí poupe para os estudos, para a sua casa própria, para seu plano de saúde e reservas de emergência. E só então pense em investir no mercado acionário, com uma visão de longo prazo, estudando empresas e comprando e segurando suas ações por determinado período. Aí sim os resultados vão aparecer.