Empresas de Tecnologia também serão bancos

 

(Divulgação)
(Divulgação)

Os bancos digitais são tão digitais que nem parecem bancos, e sim um app que faz transações bancárias intuitivas.

Pois saiba que o caminho inverso também está se desenhando. Amazon, Apple, Google e Facebook estão cada vez mais avançando no campo financeiro.

A Amazon está está se associando ao banco JP Morgan Chase para lançar produtos financeiros digitais; A Apple está em vias de lançar o seu cartão de crédito; o valor de mercado do Google é enorme e o faturamento do seu negócio é quase todo digitalizado; e o Facebook acabou de anunciar sua moeda digital, com o objetivo de facilitar transações eletrônicas.

Os bancões brasileiros precisam urgentemente reforçar sua equipe digital. Ou vão ter que reforçar o lobby em Brasília, para impedir através da canetada a concorrência de empresas estrangeiras de tecnologia.

Ações do Banco Inter mais que dobraram em 5 meses

site_banco_inter

Quem investiu nas ações do Banco Inter (BIDI4) em sua estreia na Bovespa se deu bem! O banco abriu seu capital vendendo cada ação a R$ 18,50. Hoje ela vale nada menos do que R$ 43,22. Uma valorização de 133,62% em pouco mais de 5 meses! Um fenômeno!

Ok, quem investiu ganhou dinheiro. Mas e daí? Por que isso merece destaque?

Por causa do seu modelo de negócios.

O Banco Inter tem uma diferença crucial em relação aos grandes bancos: ele não cobra tarifas para nada! Ted, Doc, manutenção de conta… tudo isso é grátis, free, 0800! E mesmo com essa inexistente fonte de receita, o banco está sendo altamente lucrativo, principalmente devido à sua eficiente plataforma digital. TUDO é feito pelo celular ou pela internet.

Esta valorização acionária dá um importante recado aos grandes bancos: aumentem a velocidade da digitalização de seus serviços, para assim poderem abandonar mais rápido a velha ideia de empurrar  um monte de tarifas em seus clientes. Eles agora tem várias outras opções.

Bancão: adapte-se rapidamente ou definhe-se.