Poloniex vai enxugando seu portfolio de altcoins

Hoje recebi mais um e-mail da corretora de criptomoedas estrangeiras Poloniex, dizendo para eu vender logo as moedas XBC, VRC, POT, NEOS, GRC, EMC2, BTM, BTCD, pois não será mais permitido realizar trades nestas moedas dentro da corretora.

Não é a primeira vez. Em julho, a Poloniex já havia tomado a mesma decisão sobre as moedas FLO, FLDC, BLK, PINK, XVC, BCY, NXC, RIC and RADS. Eu havia comprado um pouco de cada uma das moedas disponíveis na esperança que alguma explodisse como a bitcoin.

Com a baixa do mercado de altcoins, tem ficado custoso para as custodiantes de moedas digitais manterem aquelas que ninguém quer.

Está havendo uma “poda” no mercado. Espero então que a árvore cresça mais forte agora.

Tecnologia tem substituído até especuladores

A Fintechs estão democratizando não só os serviços bancários, mas também algo inimaginável até a alguns anos atrás: os sistemas automatizados de investimentos.

Os populares robôs especuladores são na verdade programas de computadores que utilizam algoritmos (fórmulas) específicos de acordo com o perfil do investidor. Há robôs que já conseguem a façanha de render 370% do CDI.

Não há limites para a tecnologia.

Folha alerta grandes bancos para as Fintechs

É impressionante a força da revolução das Fintechs. Quase que diariamente temos notícias sobre essa esperança de maior competição no mundo financeiro.

Hoje foi a Folha de São Paulo que trouxe uma reportagem bacana sobre o desafio que os grandes bancos terão com a competição das Fintechs.

Evidentemente, muitas que se destacarem serão absorvidas (compradas). Mas algumas resistentes poderão fazer história, assim como fez o Facebook, ao resistir vender-se para o Yahoo e hoje ser uma das empresas mais valiosas do mundo.

A fragilidade das previsões econômicas

Ninguém pode prever o futuro. Ninguém sabe o que vai acontecer daqui a 1 ano na economia. Os analistas sérios trabalham com possíveis cenários. Os pilantras cravam previsões.

Vale a pena sempre ficar com um pé atrás. Veja esse recorte que tirei de uma reportagem da revista Exame de 2016, que corrobora esta ideia:

previsoes_furadas

10 anos da falência do Lehman Brothers

Ontem completou-se 10 anos da falência do grande banco de investimentos americano Lehman Brothers.

O ocorrido ficou marcado não só por causa do grande tremor que causou no mercado financeiro, mas pela prova cabal de que o mercado não consegue se auto-regular, o que vai contra as teorias liberais.

Ficou provado que as agências de classificação de risco fechavam os olhos para os títulos podres que eram avaliados com rating AAA.

Na verdade, elas vendiam boa classificação.

Está mais barato financiar imóveis mais caros

A Caixa reduziu para 8,75% ao ano a taxa de juros para imóveis residenciais que valem mais de R$ 750 mil ou imóveis comerciais, ou outros que se enquadram no Sistema de Financiamento Imobiliário.

Como a inflação IPCA está por volta de 4,19%, a taxa de juros real fica em 4,6%.

Nada mal.

Bitcoin a US$ 100 mil ainda este ano

De acordo com o analista Fausto Botelho, da Enfoque Informações Financeiras, a criptomoeda Bitcoin pode bater a casa dos US$ 100 mil ainda este ano. Como hoje ela está cotada a US$ 6.400, seria uma valorização de 15 vezes.

O problema é que toda semana aparece uma análise parecida com essa no exterior. Ou até mesmo pessimistas dizendo que a moeda vai afundar mais.

A verdade é que ninguém sabe o que vai acontecer.

Bitcoin oscila R$ 15.000 nos últimos 6 meses

A moeda digital que promete (por enquanto só promete) ser um dos principais ativos do mundo nos próximos anos tem oscilado entre patamares constantes, ou seja, tem andado de lado. 

Nos últimos 6 meses, a máxima da moeda foi de R$ 38.096 e mínima, R$ 23.000. Ou seja, algo em torno de R$ 15.000. Bom para os especuladores de curto prazo, mas ruim para aqueles que esperam que seu investimento se multiplique.

Porém, é bom lembrar que há 2 anos atrás a moeda valia bem menos, cerca de R$ 1.800,00

Neste caso, a paciência pode ser uma virtude.